Arquivo da tag: entrevista

Sam comenta sobre o lançamento de ‘Too Good At Goodbyes’ e revela mais detalhes sobre o segundo álbum

Sam concedeu uma entrevista ao Elvis Duran Show para discutir sobre seu novo single ‘Too Good At Goodbyes’ e revelou mais detalhes sobre o segundo álbum. Confira abaixo:

Muitas pessoas não sabem que eu estava com Sam Smith há duas semanas e ouvimos esta música pela primeira vez. Nós colocamos para tocar numa sala cheia de geeks de rádio e vi o olhar em seu rosto quando eles começaram a aplaudir de pé, eles te ovacionaram, foi inacreditável, como você se sente?

Parece incrível e quero dizer, naquela época, eu ainda estava insanamente nervoso, não consigo explicar o alívio que estou sentindo agora em apenas ter lançado a música, porque a manti muito perto do meu coração por muito tempo tempo, então estou tão feliz que agora a música está aí e as pessoas podem decidir se gostam ou não.

Bem, eles já decidiram praticamente e acho que você se saiu bem, Sam. Você sabe o que isso significa, quero dizer, eles podem gostar ou detestar a música, como você se sente sobre isso?

Eu fico insanamente nervoso, quero dizer, mais nervoso do que cantar ao vivo. Eu fico mais nervoso quando lanço músicas porque minha música é tão pessoal e é como se alguém estivesse lendo meu diário, então é assustador, realmente assustador. A última semana não foi a mais agradável, mas eu me sinto muito melhor agora e estou feliz.

Há muito por trás de um lançamento, esse será seu segundo álbum e na última vez que estávamos falando sobre isso, você comentou sobre o quanto você estava nervoso era seu primeiro álbum, mas isso agora é algo totalmente diferente. Você pode explicar a todos o que o segundo álbum significa para você e o quanto é diferente do primeiro?

Bem, para mim, este álbum que estou prestes a lançar é mais do que um álbum, cada música nele significa muito para mim e nunca lutei com meu coração ou com minha alma em algo tanto quanto eu tenho feito nesse registro. É verdadeiramente o assunto mais pessoal que já escrevi na minha vida inteira e é insanamente assustador trazê-lo ao mundo mas estou muito orgulhoso disso e achei muito difícil deixá-lo, mas estou pronto agora o trabalho está finalizado e parece adorável, mal posso esperar para estar nas mãos das pessoas.

Nós esperamos um pouco para vê-lo com lançamentos, mas o fato de você ter demorado tanto tempo e tido muito cuidado, porque você quer ser perfeito, eu acho que também significa muito.

Não é necessariamente sobre ser um perfeccionista porque amo todas as imperfeições, é mais sobre apenas tomar o tempo para voltar a algum senso de realidade e passei um tempo em Londres com minha família e meus amigos em casa apenas tentando criar histórias reais e experiências reais sobre as quais posso escrever músicas e foi emocionalmente maravilhoso, tem sido um ano incrível, mas estou tão animado para tocar ao vivo e começar a cantar porque realmente senti falta de tocar ao vivo.

Então, Sam, você disse que esse é o seu álbum mais pessoal, eu sinto que sua música está entre as mais pessoais de todos os artistas. Sua música é tão real que é dificil imaginar que em seu segundo album será ainda mais translúcida

Bem, o primeiro álbum é sobre um cara e um sentimento que eu tive, eu estava apaixonado e foi um disco sobre corações partidos e já nesse álbum cada música representa uma história separada e eu sinto que você aprende mais sobre mim ao ouvir esse registro e eu me coloco mais à frente com minhas opiniões sobre certas coisas, há canções sobre meus relacionamentos e também há algumas histórias de pessoas que eu amo e que são muito próximas de mim, então eu sinto que é um album mais revelador, eu fui mais honesto e também me tornei muito privado na minha vida pessoal, então, para que eu revele minha vida pessoal na minha música, demora muito, eu sei e fiz isso nesse album.

Então, de tudo o que você fez até agora na sua carreira, o que o deixou mais aterrorizado com o momento mais nervoso?

Cantar no Oscar, na verdade eu não gostei. Tive tanto medo, foi horrível.

O que você fez para fingir e superar isso?

Eu tinha que fingir ser Beyoncé, basicamente, eu simplesmente lembro de estar nos bastidores apenas tentando respirar porque era difícil, são muitas pessoas assistindo esse show, acho que são 90 milhões de pessoas, foi uma canção muito difícil de cantar e ter Tom Hardy sentado à sua frente é meio intimidante.

É tão bom ouvir sua música novamente. Há alguma data antecipada para o lançamento do álbum?

Primeiramente eu só queria dizer obrigado por seu apoio desde o início, honestamente, significa o mundo para mim e sobre o álbum, virá antes do Natal, não posso dizer quando, mas antes do Natal, não está longe, eu prometo.

Fonte/Adaptado

Sam Smith fala sobre hiato, lançamento do novo single e álbum à BBC Radio1

Muitas voltas marcam o ano de 2017, mas poucos se envolveram no mistério e exaltação como Sam Smith. Está certo, o comovente crooner* fez um retorno glorioso para nossas vidas e ondas sonoras com “Too Good at Goodbyes” e sim – antes de você perguntar – fará você chorar. Servindo todos os fatos para Grimmy, Sam nos deu uma ideia sobre o que a noite antes do grande e esperado lançamento do single pareceu:

“Noite passada foi horrível, verdadeiramente horrorosa. Minha família e amigos estavam comigo e eu apenas tinha que os convidar para sair às 11 horas porque me sentia fisicamente doente. E então eu acordei estranhamente às 4 da manhã e tive que comer um Snickers. Eu estava comendo nervosamente e bebendo café.  Mas me senti aliviado essa manhã e estou tão feliz por isso. É porque a canção é tão pessoal e, mais do que nunca com esse álbum e essa música, é como se eu estivesse publicando meu diário. É assim que eu me sinto.”

Então, o que exatamente Sam tem feito desde 2014? Sam optou por um ritmo de vida mais lento.

Sam: “Eu praticamente sentei em minhas calças, assistindo “Bake Off”. Esse tipo de coisa. Tenho estado aqui em Londres com minha família, indo a clubes e comendo McDonald’s. Esse último ano foi, por uma vez, como se não tivesse sido sobre mim.  Foi sobre minha família, meus amigos, estando lá por eles e eu fui a formatura da minha irmã e estive lá por todos os meus amigos. E agora está indo para ser sobre mim de novo, basicamente. Estou ansioso porque é como se eu fosse um desempregado e acho que minha família está cansada de mim sentado no sofá”.

Com 12 milhões de álbuns vendidos mundialmente, um álbum Nº 1, 5 singles Nº 1 no Reino Unido, um Oscar, um Globo de Ouro, 3 Brit Awards, 3 Billboard Music Awards, 4 Grammys Awards e 6 Mobos; é seguro dizer que tem havido muito campanha publicitária sobre o novo material do Sam.

Grimmy: Primeiramente, como você começa a imensa tarefa de completar um álbum tão estratosférico?

Sam: “A maneira como eu escrevo minha música é que eu venho com títulos e então eu escrevo o álbum embaixo do título. Eu tinha o título “In The Lonely Hour” bem antes de começar a escrever o álbum, realmente. Então eu tinha o título, provavelmente dois anos e um pouco mais e é o mesmo título. Eu dei a meu time uma monumental dor de cabeça, eu enviei uma mensagem a eles, provavelmente há um mês, dizendo: “Não tenho certeza se isso deve ser o título!”.

G: Em segundo lugar, onde uma pessoa armazena todos esses gongos?

Sam: “Não tenho todos. Eu dei um pouco para minha família e alguns estão guardados. Acho que quando eu tiver 70 anos e ninguém ouvir mais minha música, eu apenas irie a unidade de armazenamento e deitarei neles”.

Falando sobre o preço emocional que suas baladas assumiram, Sam revelou que ele já estava excluído da tristeza antes de levá-las ao palco e as cantar.

“A maioria das músicas eu meio que saí emocionalmente delas e eu posso cantar. Existe uma melodia neste álbum que, sempre que eu canto, não consigo me livrar desse lugar porque é realmente bastante intenso mas ainda é minha canção favorita para cantar. Eu não posso expressar o quão é difícil isso é no músculo. Você poderia ser a pessoa mais saudável do mundo e, sabendo, quando eu vi a Adele cancelar esses shows, é de partir o coração e é intenso. Você precisa ser um atleta quando você está viajando, então estou nervoso pela minha turnê, porque eu sei que haverá momentos em que eu acordarei e minha voz estará rouca. Eu não posso beber álcool. Não posso ter queijo. Não posso ter alimentos picantes. Basicamente, algo divertido, não posso ter. Vou beber chá de camomila e assistir Sex and The City”.

*crooner: é um epíteto dado a um cantor masculino de um certo estilo de canções populares, apelidado de pop tradicional. Um crooner é um cantor de baladas populares. O cantor é normalmente acompanhado por uma orquestra completa.

Fonte\Adaptado

Sam Smith diz que perda de peso significa ‘batalha constante’ com alimentos

Sam Smith diz que está em ‘constante batalha’ com alimentos para manter seu peso.
O cantor emagreceu alguns quilos desde ano passado. No entanto, fotos recentes deixaram fãs preocupados sobre se ele teria ido longe demais.
Na segunda (15), em uma entrevista no Grammy, Sam disse que era muito difícil manter seu peso.
”Eu amo tanto comida, então é uma batalha constante. Sempre será uma batalha, mas estou tentando dar o meu melhor” – acrescentou o cantor.
Sam estava no Grammy para apresentar uma categoria. Ano passado o britânico levou quatro prêmios para casa .

Adaptado/Fonte

Disclosure fala sobre a mais nova colaboração com Sam Smith, “Omen”

O grupo Disclosure nega que trabalharam mais uma vez com Sam Smith por ele ter se tornado famoso. Eles haviam se juntado em 2012 para a música “Latch”.

Agora colaboraram novamente na nova música “Omen”, que integra o novo disco do duo, titulado ”Caracal”.

Em uma entrevista, o grupo insistiu que trabalharam juntos novamente devido aos seus vínculos e não a fama global do Sam Smith.

Guy Lawrence, um dos integrantes do grupo, disse: “A única coisa que não queríamos, era que se tornasse Latch 2.0”, continuou: “Nós não colaboramos novamente com Sam por ele ter se tornado famoso,  estamos fazendo isso porque somos um ótimo time. Sam estava em uma dieta doida no dia,  então ele mesmo trouxe algo para comer. Nós estavamos lá, comendo cheesecake.”

O album “Caracal” será lançado no dia 25 de setembro.

 

Sam Smith fala sobre seu novo álbum: ”É o trabalho mais honesto que eu já fiz”.

Sam Smith começou a dar vida ao sucessor do ”In The Lonely Hour” e revelou que é o seu trabalho mais honesto já feito, mas não se apresse pois ele não virá hoje, nem amanhã.

“Estou escrevendo quando quero. Então quando coisas ruins acontecem em minha vida, eu vou ao estúdio e escrevo sobre elas! Estou empolgado, mas não vai ser tão cedo. Eu acho que as pessoas vão enjoar de mim se eu continuar. Estou apenas tentando fazer o trabalho mais honesto que já fiz”, disse Sam em uma entrevista para a revista britânica OK!.

Hora de colocar ”I’m Not The Only One” e chorar. De novo.

“Eu sou inspirado pela Amy Winehouse”, diz Sam Smith

Sam Smith revelou que é um grande fã da Amy Winehouse e acha ela um ícone. Durante uma entrevista a Q Magazine, a estrela explicou que é profundamente inspirado pela música da Winehouse e realmente valoriza sua gravação “Frank”:

“Sem dúvida o álbum de estreia de Amy Winehouse mudou a minha vida, “Frank”. Eu ainda consigo lembrar de quando eu ouvia isso no carro no meu pai quando eu tinha 11 anos no caminho para a escola. Eu acho que ele comprou isso porque ele leu uma boa crítica na Q Magazine, curiosamente.”

A sensanção de “Stay With Me” disse que que este álbum mudou sua vida e  sua perspectiva na música, que desejava ter conhecido ela:

“É, me surpreendeu totalmente. Era emocionalmente honesto.  Isso me lembra que preciso tentar tentar e ser honesto em minha própria composição. Eu nunca vou conhecer ela, mas ela sempre será um ícone.”