Arquivo da tag: billboard

Sam Smith fala sobre seu retorno triunfante em entrevista para a Billboard

Todos os dedos de Sam Smith balançavam suavemente no suporte do microfone, e quando sua música termina de ser cantada, o diretor solicita outra canção. O cantor olha brevemente para o céu ou pelo menos para as vigas mais altas da pequena igreja no leste de Londres. Ele esteve lá em uma leve tarde de setembro desde meio-dia para cantar algumas músicas do seu segundo álbum, The Thrill of It All, para fins do que a gravadora chama de “conteúdo extra”. Ao contrário de muito de seus colegas, que lançam um fluxo constante de conteúdo entre os álbuns para manter seus perfis e fãs atualizados, Smith ficou em silêncio durante um ano e meio. Seu ressurgimento no centro das atenções exige fanfarra.

A performance ao vivo deste dia será enviada nos próximos meses para o mundo on-line, anunciando o retorno da principal estrela masculina do soul britânico de sua geração. Enquanto suas músicas são altamente polidas e se tornam assuntos amigáveis de rádio, o principal ponto de venda de Sam Smith é sua admirável voz.

A maioria das estrelas do pop pode fazer sucesso com uma melodia, é claro, mas Smith o acumula com um toque dramático que traz à mente Gladys Knight, Whitney Houston, Amy Winehouse. É parte conteúdo, parte falsete, suave como gato persa, uma voz que Beyoncé chamou de “manteiga” e Mary J. Blige chama de “covers you” (algo como ‘cobertura’ ou ‘proteção’).

“Ele é um cantor fenomenal”, diz a artista britânica Jessie Ware, que tem sido uma amiga íntima de Sam há quatro anos. Ela diz que ele melhora cada vez mais. “Quando você o ver cantar ao vivo- como fez uma semana anteriormente, em um show secreto – é de tirar o fôlego: todo seu controle, técnica e emoção”.

“Não tive muita sorte na minha vida romântica, é verdade”, ele vai me contar. “Eu achei tudo isso muito difícil, e acho que em minhas músicas tudo acaba se espalhando”.

Na igreja, vestido com seda brilhante e algodão prensado, parecendo elegante em um tipo de Rat Pack, ele avalia a multidão reunida – equipe de produção, tipos de gravadoras, eu (entrevistador) – toda vez que ele chega ao final de uma música, como se buscando, na ausência de aplausos de fãs, a nossa aprovação.

Um dia depois, quando nos encontramos em sua gravadora sede em Londres, ele me disse que isso era precisamente o que ele estava procurando. “Sou muito consciente da minha voz de canto, sempre fui”.

Mesmo assim? Eu me pergunto. Mesmo depois de ter vendido um equivalente de 4,4 milhões de unidades de álbuns em seu álbum de estréia de 2014, In the Lonely Hour, nos Estados Unidos (segundo a Nielsen Music); ganhou quatro Grammy Awards; três prêmios Billboard Music Awards; e, ter ganhado um Oscar por “Writing’s on the Wall”, sua música-tema para o filme 2015 James Bond Spectre? Ele balança a cabeça ansiosamente. “Absolutamente! Agora mais do que nunca! Mesmo quando eu estou cantando no estúdio, sempre irei estudar os rostos das pessoas depois para ver se eu fiz um trabalho realmente bom “.

São quase cinco horas na igreja, e Smith repassa mais duas vezes a uma nova faixa, “Burning”. Como muitas músicas no novo álbum, “Burning” é um exercício de auto-flagelação. “Respect for myself?/That river ran dry”, ele canta. Uma vez terminado, ele pede para ouvir uma reprodução. Se ele gosta ou não do som de sua própria performance, ele não demonstra. Na conclusão, ele se prepara para sair. O diretor intervém. Podemos fazer uma tomada final, ele pergunta.

“Não”, diz Smith. “É o bastante. Está bem como está “.

Uma pausa. O comportamento da diva é perfeitamente aceitável para alguém com direitos genuinamente benéficos para esse rótulo, mas Smith não pode fazer a diva, pelo menos ainda não . Ele pode estar cansado e com fome, mas também é educado, uma pessoa agradável. Ele rapidamente cede e logo volta pra frente do microfone, balançando novamente. Enquanto ele canta, ele fecha os olhos para o mundo, e você percebe que a dor que ele sentiu quando escreveu a música é uma dor que ele ainda sente.

Vinte e quatro horas depois, a criança de 25 anos está reclinada em um sofá de couro em sua gravadora, vestida com um hoodie preto e calça jeans azulada, pés inclinados e esticados na frente dele. Em seu rosto, um sorriso ambíguo.

“Estou de bom humor”, ele anuncia. “Eu me sinto ótimo.”

Ele passa a mão por seus cabelos, que recentemente foram cortados o suficiente para fazer com que seus dedos passem por ele de um modo difícil pois não há o suficiente. Ele não perdeu apenas alguns centímetros no topo, mas também ao redor da cintura. Desde que os paparazzi tiraram fotos pouco aleatórias dele brincando em uma praia australiana alguns anos atrás (“eu parecia gordo, horrível”), ele se tornou um viciado em ginástica: três vezes por semana, treinador pessoal, muitos exercícios cardiovasculares, muitos pesos.

A perda de peso exagerou seus traços já distintivos – queixo forte; de largura, os olhos desenhados pela Disney – e alonga o sorriso que ele está exercendo mais largo ainda. Se ele é um daqueles vocalistas que consegue o que todas as estrelas do pop aspiram – fazendo o miserável parecer bonito – pessoalmente, sua flutuabilidade é desarmante.

“Mas eu sou uma pessoa feliz!”, Ele insiste. “Bem, na maioria das vezes. Mas eu costumo manter isso para mim e minha família. É quando eu vou ao estúdio que deixo minha tristeza. Eu acho mais fácil escrever músicas tristes do que alegres”.

Isto é confirmado no novo álbum. Se a sua estréia fosse “um gim e tônico com os amigos, queixando-se sobre garotos”, então este é um whisky tarde da noite, consumido sozinho. “É sombrio. Não é um disco feliz. “

“Eu queria escrever sobre como agora estou começando a abrir meus olhos, aos 25 anos, para o que está acontecendo no resto do mundo e que nem sempre é bonito”.

Seu primeiro single, “Too Good at Goodbyes”, co-escrito com StarGate, é uma tentativa de parecer uma armadura quando na verdade por dentro, está se lamentando. Para que seu exército de fãs vá embora convencidos de que o pobre homem é suicida, ele aponta que apenas três das 10 músicas do lançamento padrão (o deluxe tem 14) são sobre ele.

“Os outros são sobre situações em que meus amigos estão passando, ou o mundo em geral”, diz ele.

E assim, a faixa “Him” é um confessionário, enquanto “Pray”, uma balada evangélica em colaboração com Timbaland, foi motivado pelo tempo em que ele passou no Iraque com a caridade War Child.

Passei cinco dias em Mosul e voltei envergonhado de ter conhecido tão pouco sobre o mundo e as vidas de outras pessoas”, diz Smith. “Eu voltei para aquela ótima citação de Nina Simone, que é importante falar sobre os tempos em que você vive. Eu não fiz isso; Eu tinha escrito um monte de músicas sobre amor. Então eu queria escrever sobre como agora estou começando a abrir meus olhos, aos 25 anos, para o que está acontecendo no resto do mundo e que nem sempre é bonito”.

Mas a canção “Burning” acima mencionado é sobre a qual ele está mais orgulhoso, a música mais pessoal que ele escreveu até agora, ele comenta. “Such a burden, this flame on my chest”, ele canta em referência a um romance, mas também, ele ressalta, as pressões contínuas do sucesso global. A letra é outro tema que ele retorna com frequência: como é ser um jovem, homem gay com o mundo aos seus pés e como, em tal posição, a sanidade de alguém pode escorregar.

“Depois dos Oscars [em 2016], comecei a sair demais, não me respeitava, bebendo muito e fumando”, diz ele. “Normalmente eu sou bastante saudável, mas naquela época eu não estava, nem fisicamente nem mentalmente. Eu não estava cuidando de mim mesmo; Eu estava entrando num redemoinho. Perdi contato com meus amigos e com a família. Não foi bom.”

O fato de ele estar perpetuamente solteiro dificilmente ajudou (embora ele tenha sido recentemente fotografado em Nova York, de mãos dadas com o ator Brandon Flynn da série Os 13 Porquês). “Eu sinto que estou um pouco atrasado em meus relacionamentos”, ele confessa. “Eu gostaria de ter estado em um relacionamento de longo prazo nessa idade. Mas então, eu não me mudei para Londres até os 19 anos. Eu cresci em uma área onde eu era o único homem gay na escola, o único homen gay no meu bairro. Eu definitivamente ficaria emocionalmente mais rico agora se eu tivesse um relacionamento de longo prazo, mas se não foi fácil enquanto eu estava crescendo, não vai ser mais fácil para mim agora, não é? “

Smith foi criado em uma pequena cidade rural em Cambridgeshire, é o irmão mais velho de três (ele tem duas irmãs). Sua mãe era uma banqueira enquanto seu pai ficou em casa para criar a família. Smith descobriu que ele poderia cantar no início e desembarcou seu primeiro gerente – um pintor e decorador de meio período – aos 11 anos, assinando seu primeiro contrato de gravação com 16 anos. Mas o sucesso não se seguiu rapidamente.

Foi no final de 2012, aos 20 anos, que ele finalmente encontrou alguma tração. Ele foi destaque com a música “Latch” por Disclosure, que chegaria ao No. 7 no Billboard Hot 100 em 2014 no Reino Unido e, em 2013, o Naughty Boy com o single “La La La” (que atingiu a posição 19) . Foi por esse motivo que seu futuro chefe no Capitol Records UK, Nick Raphael, foi tranferido expressando: “F***, quando posso falar com ele?”

Raphael o contratou pouco depois, dando-lhe carta branca no estúdio, e Smith subiu ao desafio. Onde, digamos, George Michael teve um período frívolo com o Wham!, aproveitando a diversão do pop antes de se estabelecer em sua zona de conforto, completamente extenuado, Smith encarou com seriedade desde o início, se você teve seu coração recentemente quebrado, e pisoteado, é para ele que deve reunir.

Smith se torna desconfortável com a menção de seu nome ao lado de seus ídolos. Isso talvez seja porque a fama permanece, por enquanto, como um casaco mal ajustado. Ele diz que quer permanecer sã a todo custo. Ele ainda anda pelo metrô em Nova York. Não há detalhes de segurança em sua folha de pagamento, e quando ele vai a discoteca, ele vai com amigos, e não conselheiros. Ele comprou recentemente sua primeira casa, em Hampstead – o luxuoso bairro londrino, George Michael também chamou de casa – e vive com uma irmã e um de seus amigos mais velhos.

“Não consigo fazer as coisas pela metade, sinto cada emoção completamente”.

“Estou convencido de que é como você leva as coisas”, ele volta a dizer. “Se você não age como famoso, você não sentirá isso, e você não chamará a atenção. Quando eu vou para um clube gay agora, é na maioria das vezes bom porque eu estou lá para passar um bom tempo como todos os outros. Se eu acabar realmente bêbado e alguém vem até mim, eu sempre sou educado”.

Mas Sam pedirá para que eles evitem tirar fotos. “Porque eu estou bêbado, e eu ficarei horrível. Quem quer uma imagem ruim de si mesmo no mundo? “

Durante os primeiros dois anos, Smith sentiu-se em cima das coisas, em algum tipo de controle. Mas então, em 2015, ele concordou em creditar Tom Petty e Jeff Lynne como co-escritores em sua música “Stay With Me”, que tem um coro semelhante ao “I Will not Back Down” de Petty. Logo após o Grammy de 2015, ele começou a sofrer de insônia e um curioso caso de coceira. Ele teve doenças de início súbito antes: dois anos antes, era TOC. Agora ele não conseguia parar de se coçar. “Em todo o meu corpo, foi horrível”. O médico sugeriu que era simplesmente uma reação física a um cronograma tão implacável e as pressões do cotidiano, entre outras coisas, a pressão de, repentinamente ser considerado como porta-voz global da comunidade LGBT. “Eu adoro ser gay, adoro ser homossexual e representar minha comunidade”, diz ele. Mas ele também admite que ele não achou fácil.

Em seu discurso do Oscar em 2016, ele proclamou que ele era o primeiro homem abertamente gay a conquistar o prêmio, a sugestão implícita de que ele tinha quebrado barreiras. Mas já havia outros vencedores abertamente homossexuais, entre eles Elton John e Stephen Sondheim. A reação era tão previsível quanto inevitável, embora nova para Smith: uma grande ridicularização nas mídias sociais.

“Olha, eu era jovem, nervoso”, ele diz agora. “Eu cometi um erro.”

E então, suas cordas vocais sofreram hemorragia, exigindo cirurgia a laser. “E não tive permissão para falar por três semanas. Três semanas de silêncio total!” Ele ri. “E acabou por ser a melhor coisa que poderia ter acontecido para mim”.

Nos dois anos anteriores, se sua mãe ou pai – que se separaram quando ele tinha 18 anos – fossem visitá-lo em turnê, eles teriam que esperar nos bastidores com todos os outros. Ele havia abandonado o retorno de todos os seus telefonemas pela simples razão de que não havia tempo. “Perder o contato com eles e meus amigos me fez sentir que eu estava perdendo a função de operar como um ser humano. Então, para poder passar algum tempo ao seu redor após minha operação, e não poder falar, me permitiu ouvir e ser apenas. Eu tinha bastante comigo mesmo, era só eu por um tempo.”

“Você pode contar com os dedos de uma mão quantos artistas têm eclipsado um álbum de estréia tão grande”, diz Barnett. “O novo álbum de Sam representa um grande salto para ele como cantor e compositor, por isso é difícil não ter grandes ambições. Mas estamos dando um passo de cada vez “.

Sua cautela pode ser desnecessária. Assim como Adele invadiu a consciência global em 2015 com “Hello” depois de alguns anos de silêncio. O single “Too Good at Goodbyes” estreou no número 5 no Hot 100, e ele rapidamente adicionou 5 milhões de ouvintes mensais à sua página no Spotify. Tudo parece estar certo para outra canção em ascensão.

“Você sabe, pensei que, nesta fase, eu poderia começar a me sentir mais como uma estrela pop apropriada”, diz Smith, que, há alguns anos atrás, estava trabalhando como barman. “Mas eu não o fiz. Eu ainda me sinto como … Eu. Minha família ainda fala comigo como uma m**** e fico feliz. Isso me mantém normal.”

E “normal” significa controlar seus privilégios. Ele expressa pouco interesse em comprar ilhas privadas, ou jatinhos particulares para chegar até eles.

“Eu quero estar saudável”, ele diz, “e eu quero viver o maior tempo possível. Eu quero crianças, e quero abrir uma floricultura.” Seu rosto se enrubesce de riso. “Se um namorado se encaixar nesse mix em algum lugar, ficarei feliz. Mas se isso não acontecer, ficarei bem com as flores.”

Fonte/Adaptado

“In The Lonely Hour” foi eleito um dos melhores álbuns do ano pela Billboard

Uma das maiores revistas da indústria musical, a Billboard, divulgou um ranking com os 10 melhores álbuns lançados no ano de 2014. O “In The Lonely Hour” está na lista, que inclui artistas como Taylor Swift e Ed Sheeran. Confira a seguir a lista completa: 

01) “1989″ – Taylor Swift
02) “Run The Jewels 2″ – Run The Jewels
03) “In The Lonely Hour” – Sam Smith
04) “The Voyager” – Jenny Lewis
05) “X” – Ed Sheeran
06) “Strange Desire” – Bleachers
07) “I Never Learn” – Lykke Li
08) “Syro” – Aphex Twin
09) “Lost In The Dream” – The War On Drugs
10) “Piñata” – Freddie Gibbs & Madlib