Arquivo da categoria: Matérias

TOO GOOD AT GOODBYES: Confira o que a crítica especializada achou da música

Sam Smith é conhecido por ter uma boa recepção da crítica com suas músicas, e com “Too Good At Goodbyes” não vai ser diferente. Confira agora o que a crítica especializada achou da nova faixa do cantor.

VARIETY:

“Mais uma vez, Smith nos encanta com as profundezas da melancolia com um tenor impecável, sem esforço e flexível que parece ser ter sido emprestado de algum lugar nos céu. […] Talvez você também gostaria de uma ponte majestosa que nunca chega; que pode ser o elemento que faltava para a tímida “Goodbyes” um clássico pop. Mas a voz mágica e trágica de Smith é o seu próprio tipo de classicismo, derretendo-o com a sua vulnerabilidade […]”

PITCHFORK:

“Talvez Smith na verdade seja bastante notável em manipular friamente situações emocionais tensas. Mas tão simples como a música está passando bem os conceitos de adeus, as letras não se somam a tudo isso. “Você deve pensar que sou estúpido”, ele começa, mas nada que indica o que seria esse o caso. “Eu apenas estou protegendo minha inocência”, ele acrescenta mais tarde, mas se ele é tão veterano disso, como ele pode ser tão inocente? Ele também canta que você não o verá chorar, mas depois de cantar que ele já chorou, as outras vezes que essa pessoa o deixou. Aguarde, isso não faz a outra pessoa boa em adeus? Pior ainda, seu vibrato aqui soa exagerado como a produção. Ainda há esperança para seu próximo álbum, mas essa música? Menino, tchau.”

HUFFPOST:

“Sam Smith está de volta com outro hino para corações partidos. E desta vez, ele tem um coro gospel atrás dele. Fiel à forma, a melodia lembra um romance disfuncional, e a voz de Smith é acompanhada por um coro de gospel à medida que a música se constrói.”

ET:

“No novo single, Smith traz sua habilidade para a emoção de fala suave para um lugar mais melancólico. Ao contrário de sua maior música até o momento, “Stay With Me”, onde Smith de alguma forma traz uma sensação de romance para uma posição de uma noite, “Too Good at Goodbyes” é quase incubadora, proclamando-se frio pela dor de ser maltratado por um ex-amor.”

MTV:

“Ele ainda soa como um anjo – ele está apenas um pouco triste dessa vez. O primeiro single do segundo álbum de Sam Smith está aqui, e uma coisa é certa: a pessoa que decidiu que não queria ficar com ele é um idiota. Se “Too Good At Goodbyes” é um sinal de coisas por vir, Smith está dormindo com os sons que fizeram sua estréia em 2014, no “In The Lonely Hour”, tão celestial. Muito piano, cordas requintadas, encravamentos dos dedos e o calor de um coro em segundo plano, e aquela voz aveludada e oitava puxa um golpe imediato, e aquela nota que atinge um acorde desolado. Tão lindo quanto a música é, ele corta mais do que a maioria da sua produção até o momento. “Too Good At Goodbyes” toca o tipo de ferida com a qual estamos infelizmente familiarizados,  da frustração que vem quando um amor te colocou para baixo de muitas vezes. Quem nunca disse “Eu nunca vou deixar você perto de mim / Mesmo que você se importe mais comigo / Porque toda vez que me abro, dói” em um momento vulnerável, seja em privado ou para pessoa que quebrou seu coração? “Too Good At Goodbyes” é muito boa e muito real, e estamos aqui pelo Smith, porque ele continua evoluindo como compositor.”

PAPERMAG:

“A canção é sobre um relacionamento chegando ao fim, e tem todos os apetrechos típicos do Smith: notas altas, um coro de harmonização e uma letra triste, mas bonita.”

BUSTLE:

“A letra de “Too Good At Goodbyes” de Sam Smith é para você que  precisa acordar para sair de um relacionamento ruim. […] Depois de dois longos anos fora dos holofotes, Sam Smith liberou um novo single chamado “Too Good At Goodbyes”, e está realmente incrível. A melodia, o tempo, os vocais de Smith – tudo em ponto. E, como se mostra, as frases de  “Too Good At Goodbyes” podem ser apenas a coisa que você precisa para sair de um relacionamento tóxico. […] A música se move junto com Smith, oferecendo uma lembrança das paredes emocionais que ele construiu ao longo de todo o dramatismo. Você quase pode sentir a dor se transformar em raiva quando a música em movimento progride.”

Sam Smith fala sobre hiato, lançamento do novo single e álbum à BBC Radio1

Muitas voltas marcam o ano de 2017, mas poucos se envolveram no mistério e exaltação como Sam Smith. Está certo, o comovente crooner* fez um retorno glorioso para nossas vidas e ondas sonoras com “Too Good at Goodbyes” e sim – antes de você perguntar – fará você chorar. Servindo todos os fatos para Grimmy, Sam nos deu uma ideia sobre o que a noite antes do grande e esperado lançamento do single pareceu:

“Noite passada foi horrível, verdadeiramente horrorosa. Minha família e amigos estavam comigo e eu apenas tinha que os convidar para sair às 11 horas porque me sentia fisicamente doente. E então eu acordei estranhamente às 4 da manhã e tive que comer um Snickers. Eu estava comendo nervosamente e bebendo café.  Mas me senti aliviado essa manhã e estou tão feliz por isso. É porque a canção é tão pessoal e, mais do que nunca com esse álbum e essa música, é como se eu estivesse publicando meu diário. É assim que eu me sinto.”

Então, o que exatamente Sam tem feito desde 2014? Sam optou por um ritmo de vida mais lento.

Sam: “Eu praticamente sentei em minhas calças, assistindo “Bake Off”. Esse tipo de coisa. Tenho estado aqui em Londres com minha família, indo a clubes e comendo McDonald’s. Esse último ano foi, por uma vez, como se não tivesse sido sobre mim.  Foi sobre minha família, meus amigos, estando lá por eles e eu fui a formatura da minha irmã e estive lá por todos os meus amigos. E agora está indo para ser sobre mim de novo, basicamente. Estou ansioso porque é como se eu fosse um desempregado e acho que minha família está cansada de mim sentado no sofá”.

Com 12 milhões de álbuns vendidos mundialmente, um álbum Nº 1, 5 singles Nº 1 no Reino Unido, um Oscar, um Globo de Ouro, 3 Brit Awards, 3 Billboard Music Awards, 4 Grammys Awards e 6 Mobos; é seguro dizer que tem havido muito campanha publicitária sobre o novo material do Sam.

Grimmy: Primeiramente, como você começa a imensa tarefa de completar um álbum tão estratosférico?

Sam: “A maneira como eu escrevo minha música é que eu venho com títulos e então eu escrevo o álbum embaixo do título. Eu tinha o título “In The Lonely Hour” bem antes de começar a escrever o álbum, realmente. Então eu tinha o título, provavelmente dois anos e um pouco mais e é o mesmo título. Eu dei a meu time uma monumental dor de cabeça, eu enviei uma mensagem a eles, provavelmente há um mês, dizendo: “Não tenho certeza se isso deve ser o título!”.

G: Em segundo lugar, onde uma pessoa armazena todos esses gongos?

Sam: “Não tenho todos. Eu dei um pouco para minha família e alguns estão guardados. Acho que quando eu tiver 70 anos e ninguém ouvir mais minha música, eu apenas irie a unidade de armazenamento e deitarei neles”.

Falando sobre o preço emocional que suas baladas assumiram, Sam revelou que ele já estava excluído da tristeza antes de levá-las ao palco e as cantar.

“A maioria das músicas eu meio que saí emocionalmente delas e eu posso cantar. Existe uma melodia neste álbum que, sempre que eu canto, não consigo me livrar desse lugar porque é realmente bastante intenso mas ainda é minha canção favorita para cantar. Eu não posso expressar o quão é difícil isso é no músculo. Você poderia ser a pessoa mais saudável do mundo e, sabendo, quando eu vi a Adele cancelar esses shows, é de partir o coração e é intenso. Você precisa ser um atleta quando você está viajando, então estou nervoso pela minha turnê, porque eu sei que haverá momentos em que eu acordarei e minha voz estará rouca. Eu não posso beber álcool. Não posso ter queijo. Não posso ter alimentos picantes. Basicamente, algo divertido, não posso ter. Vou beber chá de camomila e assistir Sex and The City”.

*crooner: é um epíteto dado a um cantor masculino de um certo estilo de canções populares, apelidado de pop tradicional. Um crooner é um cantor de baladas populares. O cantor é normalmente acompanhado por uma orquestra completa.

Fonte\Adaptado

Sam Smith e Calum Scott estão se conhecendo melhor, segundo jornal britânico

Segundo o jornal britânico Daily Star, Sam Smith e Calum Scott estariam se conhecendo melhor. O mesmo jornal revelou dias atrás que o novo álbum do Sam Smith será lançado em setembro.

Os dois estariam cada vez mais próximos depois que o Calum assinou com a mesma gravadora do Sam Smith. A dupla teria se encontrado várias vezes nos últimos meses, fora dos compromissos de trabalho, segundo o tablóide britânico.

No dia 25 de janeiro, Calum postou uma foto com Sam no instagram dizendo que tinha amado conhece-lo naquela noite:

Hangs in Nashville with this legend. Lovely to meet you @samsmithworld ⚡️

Uma publicação compartilhada por Calum Scott (@calumscott) em

E na última semana Sam Smith curtiu um tweet do Calum com uma selfie do cantor:

Uma fonte próxima de Smith conversou com o jornal:

“Sam está aberto para um relacionamento e tem conversado com outras pessoas desde o ano passado. Devido ao fato de ter sido uma pausa prolongada ele teve muito tempo para se afastar do trabalho para se concentrar em sua vida pessoal. Ele disse publicamente que seu próximo álbum vai” ir ainda mais fundo “, então sem dúvida os fãs vão descobrir mais então.”

No fim de junho de 2016, Calum disse ao mesmo jornal que era um grande fã do Sam e que tinha muita vontade fazer uma parceria musical com ele, além de elogiar o trabalho do cantor.

“A coisa é com Sam Smith é que ele tem uma voz tão distinta que ninguém pode competir com ele”, Calum disse em junho do ano passado.

Os assessores dos artistas foram contatados pela jornal, e o representante da equipe do Sam disse “Nós não falamos sobre a vida pessoal de nossos artistas.” 

Já a equipe do Calum Scott se recusou falar sobre o assunto.

Sam Smith se diz honrado e orgulhoso de apoiar campanha contra guerra na Síria

A indústria do entretenimento está de pé para as crianças sírias.

Famosos – incluindo Jude Law, Nicole Scherzinger, Sam Smith, Marcus Mumford e Carey Mulligan – estão aumentando a conscientização sobre a situação das vítimas mais jovens do conflito continuo na Síria com um novo vídeo para War Child, uma instituição de caridade que apoia o bem entre as crianças da região.

Intitulado “Enough is Enough”, o clipe de dois minutos mostra as estrelas contando a luta da vida real sofrida por Fátima, uma menina de 17 anos que foi forçada a escapar da Síria em meio a tensões crescentes, tentativas de fuga e violência que acabaria por reivindicar a vida de seu irmão. Fátima vive agora como refugiada na Jordânia.

“Enough is Enough” coincide com um novo relatório da War Child, intitulado “Six Years on – A War on Syria’s Children”, que descreve mais de 400.000 mortes sírias desde que o conflito começou há seis anos em 14 de março de 2011. De acordo com o relatório, cerca de 55.000 crianças estão entre os mortos.

Após a divulgação do vídeo, Sam demostrou compaixão através da sua conta no Twitter dizendo se sentir honrado e orgulhoso por apoiar essa campanha:

Tradução:

A Guerra Síria tem quase 6 anos . Estou tão orgulhoso e honrado por apoiar a campanha de

Fonte\Adaptado

Sam Smith compõe música nova com Frances

O novo álbum de Sam Smith parece estar cada vez mais próximo de ser revelado ao mundo. A cantora Frances disse em uma recente entrevista ao ContactMusic que esteve em estúdio com Sam.

Ela revelou que os dois trabalharam na composição de uma nova canção para o sucessor do “In The Lonely Hour”.

“Foi incrível. Nós escrevemos uma música semanas atrás para seu segundo álbum, então foi realmente divertido.” Disse Frances sobre compor com Sam Smith.

Fonte/Adaptado

Sam Smith compõe música para Matt Terry

Sam Smith não pode realizar o desejo do Matt Terry de se apresentar junto ao ídolo no The X Factor, mas escreveu uma música  nova para o artista.

Matt Terry cantou “Writing’s On The Wall” na competição, dizendo se sentir tocado pelas força nas canções de Sam e que seria incrível se o ídolo pudesse se juntar a ele na final para um dueto. Smith não pode se juntar ao fã, mas o presenteou com uma nova música.

Matt Terry contou a novidade ao Daily Star:

“Quando eu cantei essa música foi um momento incrível. Então gravar uma canção escrita por ele é algo animador no momento.”

O vencedor do reality também contou que teve um encontro com Sam, onde pediu conselhos sobre sua carreira e contou alguns detalhes:

“Quais são as chances? É apenas louco. Eu tive um monte de perguntas para ele sobre sua carreira. Foi muito legal. Ele é um artista que eu escuto desde que começou e eu penso que sua carreira é insana. Ele contou que me ouviu cantando “I’ll Be There”, ele disse que soou muito bom. Ele disse pra mim que devo continuar fazendo o que estou fazendo.”

A nova canção de Matt Terry escrita por Sam Smith ainda não tem previsão de lançamento.

Fonte/Adaptado

 

RUMOR: Sam Smith pode se apresentar na final do The X Factor UK 2016

Sam Smith foi fotografado na última noite em Londres ao lado de Nicole Scherzinger, jurada do reality show The X Factor.

nintchdbpict000286226663

Quem acompanha o programa sabe que Matt Terry é o candidato atual favorito ao título de vencedor. Com isso, os rumores dos duetos ficam cada vez mais fortes. Os dois se conheceram em outubro.

img_20161202_210443
Matt Terry, Sam Smith e Freddy Parker.

O nome mais cotado para se apresentar com Matt é de Sam Smith, já que ele interpretou uma de suas músicas no programa, “Writing’s On the Wall”. Os rumores ficaram mais intensos depois dos tabloides descobrirem que os cantores tiveram uma “reunião secreta”. Sobre isso, o semifinalista disse: “Foi uma loucura, fiz um monte de perguntas sobre sua carreira, foi muito legal. Ele é um artista que acompanho desde que começou sua carreira. Ele me disse que tinha visto minha performance de ‘Il’ Be There’ e disse para que eu continuasse fazendo o que estou fazendo.”

O The X Factor UK continua neste Sábado (03/12) às 18h (Horário de Brasília) pela ITV e aqui no Brasil no Domingo (04/12) às 21h55 (Horário de Brasília) pelo Canal Sony.

Fonte/Adaptado

 

“Diva Boy”, álbum que Sam Smith compôs será lançado de forma oficial em setembro

Antes de In The Lonely Hour, álbum que catapultou, definitivamente Sam Smith para o estrelato havia Diva Boy, um disco que o cantor fez em 2008 e que havia sido engavetado.

Sam Smith passou seus anos de formação nos estúdios em West London na Flipbook Music, onde seu talento foi nutrido e desenvolvido ao longo de três anos realmente frutíferos. Agora, esse mesmo disco será editado pela editora independente Flipbook Music, no próximo mês de setembro, permitindo observar (e ouvir) Sam Smith antes de ter chegado ao estrelato.

Em comunicado à imprensa, a Flipbook Music afirma que “a experiência e educação que Sam Smith teve durante a sua estadia aqui, não tem preço, e foi mais um grande passo no desenvolvimento dessa estrela pop única e talentosa”. Você pode visitar o site oficial do “Sam Smith Diva Boy”, clicando aqui.

O primeiro single, “Momentarily Mine”, está disponível para escuta, vindo acompanhado de um vídeo com imagens antigas do cantor. Veja-o aqui:

Fonte/Adaptado

Tourist fala sobre como foi trabalhar com Sam Smith

Tourist está mudando as coisas. De 2012 a 2014, o compositor britânico e produtor, cujo nome verdadeiro William Phillips, lançou três EPs e trabalhou com artistas como Years & Years, Lianne La Havas e Sam Smith
Tourist passou o verão em vários festivais de música. Antes de embarcar em sua turnê na América do Norte e no Reino Unido em setembro, o International Business Times conversou com ele sobre seu novo álbum e a colaboração com Sam Smith.

Como foi trabalhar com Sam Smith e como isso aconteceu?

Tourist: Eu estava trabalhando no meu terceiro EP, chamado “Patterns”, e eu estava trabalhando com o meu amigo Jimmy e alguns gestores de Sam Smith estavam ouvindo as coisas que eu e Jimmy estavam escrevendo e eles eram como, “Gostaria de escrever com Sam?” e eu era como, “Quem é Sam?“. Sabe, Sam Smith nem sempre foi famoso e esta colaboração foi no momento em que ele não era. Então, nós meio que nos sentamos e tivemos uma sessão.

Confira o single ‘U’ de Tourist:

Fonte \ Adaptado

Sam Smith assina carta que se opõe à forma que o YouTube disponibiliza conteúdo

Sam Smith, Taylor Swift, Coldplay, Lady Gaga, Ed Sheeran e muitos outros artistas escreveram uma carta para o Youtube (da empresa Google) alegando que eles estão injustamente lucrando com muitos valores que deveriam  ser dos músicos e compositores.

Mais de 1000 músicos assinaram este documento que foi enviado a Jean-Claude-Junker, o presidente da comissão, assim afirmando que existe uma “disparidade de valor” cada vez maior na indústria musical e assim ocasionando uma “explosão” na receita gerada por consumo de música.

A carta foi feita para pedir a revisão da Digital Millennium Copyright Act (D.M.C.A.), lei nos Estados Unidos que regula a distribuição de direito autoral em meios digitais no país.

O YouTube, respondeu dizendo que, direta e indiretamente, rende bilhões de dólares aos envolvidos no meio musical e que novas ferramentas contribuem para que os donos dos direitos consigam coibir a pirataria dentro do site.

Organizador da carta, Irving Azoff pensa diferente. O empresário disse em entrevista à Billboard que nunca viu uma ameaça tão séria aos artistas quanto vê no YouTube.

Fonte/Adaptado