Todos os post de Lucas Kaique

Album Review: Sam Smith derrama toda a sua melancolia em “The Thrill Of It All”

Se a três anos atrás Sam Smith chorava todas as suas pitangas através do “In The Lonely Hour” por uma decepção amorosa, em “The Thrill Of It All” observamos o amadurecimento de um homem já familiarizado com o coração partido, e que agora está aberto a falar sobre relações mais complicadas, o alcoolismo, religiosidade, inclusive sobre a sua sexualidade com franqueza, como não fez no primeiro disco. Dê play no final do post e continue lendo!

Produção de Jimmy Napes e Steve Fitzmaurice (seus principais colaboradores desde o início da carreira), “The Thrill Of It All”, é um álbum melancólico e romântico, que mostra perfeitamente a transição de um jovem vulnerável do In The Lonely Hour para um homem que obteve maturidade com as experiências vivenciadas – “Eu sei que você está pensando que eu sou frio; eu estou apenas protegendo minha inocência”, desabafa em “Too Good At Goodbyes”.

O cantor basicamente abre seu coração quase que acapela na maior parte do álbum, e, faz-nos imaginarmos dentro de uma igreja a cada uma das 14 faixas entoadas pela orquestra que o acompanha, como em “Pray”, uma sincera conversa com Deus sobre a sua ligação com a religião – a música é uma parceria com o produtor Timbaland.

Dessa vez Sam resolveu sair um pouco de sua zona de conforto trabalhando com o James Ryan Ho (Malay), que atualmente produziu para o Frank Ocean trazendo um estilo de hip-hop mais suave e no pop alternativo da cantora Lorde, podemos perceber as referências em “Say It First”.

Outra parceria que casou muito bem com uma mudança na vibe do cantor deixando o álbum menos previsível, foi com a banda de funk/soul Dap-Kings que emprestou seus instrumentais de sopros dando vida a faixas mais agitadas, como a “One Last Song” que tem uma cara de anos 60, “Midnight Train” e “Baby, You Make Me Crazy”, a música que na primeira vez ouvida você já decora o refrão e quer sair cantando no meio da rua.

De longe, “Burning” é a letra mais pessoal do disco e contém um instrumental único e grandioso. Já em “HIM”, Smith nos conta a história de um garoto que deseja assumir-se sexualmente ao seu pai e o mesmo tenta deixá-lo dividido entre sua orientação sexual e a religião – “Não tente me dizer que Deus não se importa com nós; é ele que eu amo”, canta seguido de um piano e o coro.

Em “No Peace” dueto com Yebba Smith, os dois disputam vocais e arranjos que dão uma presença belíssima a música, mas que infelizmente não chega a ser tão explosiva. Na faixa “Palace”, Sam aposta numa balada melódica e tradicional – “Ás vezes eu queria que nunca tivéssemos construído esse palácio; mas amor verdadeiro nunca é uma perda de tempo”, o cantor revela.

“Nothing Left For You” é a “I’ve Told You Now” dessa era, com um vocal sussurrado nos primeiros versos e a entrada do coro dando ênfase ao refrão, deixa clara a dor depositada nessa letra. Um ponto alto é a faixa que leva o título do álbum, “The Thrill Of It All”, destaque em cordas friccionadas, além do piano usado muitas vezes e o uso constante de falsetes no refrão, entregando sua devida sutileza como a “Scars”, um depoimento de Sam a seus pais que atualmente são divorciados.

Fechando o álbum com “One Day At A Time”, que fala sobre se desconectar do mundo caótico em que vivemos para poder se conectar somente a uma pessoa de uma forma simples e natural, observamos o lado completamente romântico do cantor.

É esse tipo de sonoridade que podemos esperar durante a carreira de Sam Smith, sem grandes mudanças no estilo musical, e sem comprometimento de nos entregar um disco para revolucionar a história da música pop, mas sempre colocando em primeiro plano sua voz, construída para emocionar.

Adquira o álbum pelas plataformas digitais por aqui.

Crítica inteiramente escrita por Lucas Kaique.

Sam Smith faz show especial para a BBC Radio 1 no último Live Lounge de 2017

Certamente, não há melhor maneira de terminar o Live Lounge Month 2017 do que com o artista número um no Reino Unido, e com sua música “Too Good At Goodbyes” na terceira semana no topo das paradas. Sam Smith realizou um show intimista na tarde da última sexta-feira (29) cantando 9 músicas para os fãs que se acomodaram no teatro da rádio BBC, localizada em Londres.

Para assistir o show completo na íntegra se cadastre no site aqui.

Ele é uma das maiores estrelas do pop no Reino Unido, mas mesmo assim estava preocupado que seu retorno não funcionasse tão bem quanto esperava, “Eu estava realmente com medo de que as pessoas não desejassem ouvir minha voz de novo e eu realmente agradeço que elas queiram, por enquanto”, ele disse à rádio no backstage antes de sua apresentação.

“Esse foi o meu maior medo. Amo o que eu faço, amo meus fãs, amo cantar. Sinto muita sorte em fazer o que eu faço e não aceitaria isso”, completou.

A apresentadora Clara Amfo entrevistando Sam no backstage

Sam abriu com Lay Me Down; Sentimos muito

Ele performou hits como Stay With Me, Like I Can, I’m Not The Only One e (claro) Too Good At Goodbyes . Mas com um novo álbum no horizonte, Sam diz que estava interessado em tocar mais músicas novas no seu show no Live Lounge.

“Eu queria estar realizando mais”, disse ele. “É emocionante e estranho cantar essa música agora que está lá e as pessoas saberem disso porque eu escutei Too Good At Goodbyes tantas vezes”.

I’m Not The Only One soou especialmente maravilhosa

Sam fez seu nome na industria com músicas sobre decepções amorosas, mas diz que durante apresentações como esta, ele nunca se incomodou com as emoções que inspiraram as músicas. “Às vezes, as coisas voltam, mas as músicas do In The Lonely Hour, nem sinto elas mais como minhas músicas, sinto como se fossem de outras pessoas”, disse Sam.

“Quando eu as canto, não posso deixar de me sentir feliz porque agora olho para trás na minha vida e sinto que estou em um lugar muito melhor do que estava quando escrevi. Eu realmente gosto de cantá-las, não há tristeza”, completou.

 

 

“Eu realmente gosto de cantar minhas músicas, não há tristeza” Sam Smith

 

Leave Your Lover nos fez questionar nosso status de relacionamento

Mas o que é um show no Live Lounge sem as versões de covers? Sam homenageou George Michael cantando “Father Figure” e “Try Sleeping With A Broken Heart” de Alicia Keys.

“Essa música de Alicia Keys me levou até a minha pausa no ano passado”, disse ele. “Eu costumava andar na rua e fingir ser a Alicia Keys em Londres, ouvindo isso. É tão empolgante para mim, só me dá arrepios”.

Aqui está Sam Smith vivendo o melhor sonho de Alicia Keys

E enquanto muitas pessoas aspiram a ser como Sam Smith, para ele, aparecendo no Live Lounge é uma chance dele escapar para cantar suas músicas favoritas de artistas que ele fantasiava.

“Live Lounge para mim é uma chance de fingir ser outros artistas e sair da minha cabeça”, ele nos contou. “Minha primeira lembrança do Live Lounge é a Adele cantando um cover de Cheryl Cole, “Promise This”, mas há tantas músicas que lembro de pessoas cantando e que eu acho tão especial”.

“Minha música é tão pessoal que é muito bom fugir e ser outra pessoa”, disse o cantor.

Stay With Me ainda é uma música épica

Ele tem ficado especialmente emocionado ao ouvir outros artistas cantarem suas músicas quando performaram para nós.

“Ouvir Ed Sheeran cantar Stay With Me foi um momento incrível”, disse ele. “Quando penso no Live Lounge, penso em liberdade para se tornar e soar como qualquer coisa que você quiser”.

Sam cantou George Michael, seu artista favorito de todos os tempos

Sam participou da Radio 1 várias vezes durante sua carreira, mas esta é indiscutivelmente a mais especial. Ele ainda se lembra da sua primeira experiência com Radio 1 quando ele ouviu sua música tocar na estação.

“Minha primeira memória da Rádio 1 foi quando eu estava trabalhando em um bar em St Pauls e Annie Mac tocou Latch”, disse ele. “Estava ouvindo Latch na Rádio 1 enquanto servia clientes e foi uma das experiências mais mágicas.”

“O apoio da Radio 1 desde o começo realmente mudou minha vida. Não só isso, eu adoro como a Radio 1 apoia a música. Eu me sinto seguro com vocês”, continuou.

Sam estava trabalhando em um bar quando ouviu pela primeira vez a Radio 1 tocando Latch

E qual música é melhor para dizer adeus ao Live Lounge Moth?

Fonte/Adaptado

Sam Smith está trabalhando com o produtor de Zayn Malik, John Legend e Frank Ocean em novo álbum

Juntando evidências, pois Sam Smith não atualiza suas redes sociais e nem divulga quaisquer informações sobre o sucessor do ‘In The Lonely Hour’, nós vamos atrás!

No domingo passado, 05, o estúdio Attica Audio Recording, localizado em Donegal, na Irlanda, publicou em sua página do Facebook uma foto de Sam Smith ao lado de Jimmy Napes e Malay Ho (que já trabalhou com Zayn Malik, John Legend e Frank Ocean no passado). Mas não durou muito a publicação, por algum motivo foi apagada.

Não é de hoje que Sam tem desfrutado de visitas em Donegal. Jimmy Napes publicou no início do mês uma foto com Smith em uma choperia da cidade.

Guiness for breakfast, lunch and dinner @samsmithworld 🍺

A post shared by Jimmy Napes (@jimmynapes) on

Donegal sendo nomeado como o lugar mais legal no Planeta pela National Geographic Traveler deve ter sido um fator influenciador para levar Smith e sua equipe ao noroeste do país. Agora é roer mais um pouco as unhas e esperar calorosamente pelo novo material, VEM SS2!

Fonte/Adaptado

Adam Lambert abre o jogo sobre o suposto romance com Sam Smith

Há quase um ano atrás, o Dj Dawson havia publicado em sua conta no Instagram uma foto com Adam Lambert e Sam Smith, na qual estavam em um clima íntimo com o rosto colado numa festa em Nova York, logo depois, Lambert compartilhou em seu perfil a mesma foto. Desde então, ambos começaram a se aproximar, o que deu origem a rumores de que eles estariam namorando.

Semana passada, Adam durante uma aparição no programa “Watch What Happens Live”, respondeu uma fã que questionou se era verdadeiro o boato de que ele e Smith eram mais que apenas amigos. Assista o vídeo:

“Eu adoro esse rumor, na verdade, no momento em que ouvi isso, eu mandei uma mensagem para ele. Eu estava tipo, “então…”, Adam riu. Ele (Sam Smith) é um cara legal, ele é tão engraçado e não…, não há um relacionamento romântico.”

@samsmithworld

A post shared by ADAMLAMBERT (@adamlambert) on

“Stay With Me” aparece em novo comercial do filme animado ‘Sing’

O novo filme da distribuidora Universal Pictures, ‘Sing – Quem Canta seus Males Espanta’, com direção de Garth Jennings e produção de Chris Meledandri e Janet Healy, chega aos cinemas brasileiros em 22 de dezembro, e acaba de ganhar um novo comercial em que uma de suas cenas, Jonny, o personagem gorila, canta “Stay Withe Me”. Assista:

O filme de comédia musical animado situado em um mundo habitado somente por animais, ‘Sing – Quem Canta seus Males Espanta’, se desenvolve através da tentativa de Buster Moon, a coala, que através de um concurso de canto deseja salvar o teatro de seu pai que está em risco de ser fechado. Candidatos de peso são atraídos pelo prêmio de cem mil dólares para a competição: um porco-espinho fêmea que curte punk-rock, um gorila das montanhas que seu sonho é ser cantor e seu pai quer que ele seja um criminoso, uma elefante com um enorme pânico de palco, um rato e uma porca, mãe sobrecarregada que largou sua carreira de cantora na adolescência para viver uma vida de dona de casa, aonde é rejeitada pelo marido e cuida de uma ninhada de 25 leitões.

Sandy, Wanessa Camargo, Fiuk, Mariana Ximenes e Marcelo Serrado emprestam suas vozes para os pergonagens Meena, Ash, Johnny, Rosita e Gunter.

Confira o cartaz:

011755

Sam Smith entre os maiores rendimentos na indústria da música em 2015

Embora Sam Smith tenha cancelado uma maratona de shows e a divulgação do seu álbum de estréia não ter sido tão massiva, 2015 foi o seu ano de destaque e, pela lista recém divulgada da revista Billboard, o cantor faturou cerca de US$ 7,5 milhões, incluindo vendas, streamings, direitos autorais e bilheteria de shows. O ranking liderado pela Taylor Swift dos recordistas de faturamento na indústria da música em 2015 é extenso. Confira:

01) Taylor Swift: US$ 73,5 milhões
02) Kenney Chesney: US$ 39,8 milhões
03) Rolling Stones: US$ 39,6 milhões
04) Billy Joel: US$ 31,7 milhões
05) One Direction: US$ 24,2 milhões
06) Grateful Dead: US$ 23,8 milhões
07) Luke Bryan: US$ 23,1 milhões
08) U2: US$ 21,8 milhões
09) Adele: US$ 20,5 milhões
10) Maroon 5: US$ 19,2 milhões
11) Jason Aldean: US$ 18,9 milhões
12) Shania Twain: US$ 14,4 milhões
13) Dave Matthews Band: US$ 14,1 milhões
14) Madonna: US$ 12,7 milhões
15) Elton John: US$ 12,4 milhões
16) Rush: US$ 12 milhões
17) Ed Sheeran: US$ 11,6 milhões
18) Juan Gabriel: US$ 11,6 milhões
19) Florida Georgia Line: US$ 11,5 milhões
20) Fleetwood Mac: US$11,3 milhões
21) Neil Diamond: US$ 11,1 milhões
22) Britney Spears: US$ 10,6 milhões
23) Eric Church: US$ 10,1 milhões
24) AC/DC: US$ 10 milhões
25) Celine Dion: US$ 9,3 milhões
26) Better Midler: US$ 9,1 milhões
27) J. Cole: US$ 8,8 milhões
28) The Weeknd: US$ 8,6 milhões
29) Ariana Grande: US$ 8,3 milhões
30) 5 Seconds of Summer: US$ 8,3 milhões
31) Sam Smith: US$ 7,5 milhões
32) Drake: US$ 7,4 milhões
33) Paul McCartney: US$ 7,1 milhões
34) Charlie Wilson: US$ 6,9 milhões
35) Brad Paisley: US$ 6,8 milhões
36) Imagine Dragons: US$ 6,7 milhões
37) Marc Anthony: US$ 6,5 milhões
38) Toby Keith: US$ 6,5 milhões
39) Nicki Minaj: US$ 6,3 milhões
40) Romeo Santos: US$ 6,1 milhões

Fonte

Meghan Trainor revela que pediu orientação para Sam Smith na recuperação de lesão vocal

Ano passado, foi um ano difícil para Meghan Trainor, a cantora americana cancelou sua turnê por conta de hemorragia nas cordas vocais diversas vezes, assim como Sam Smith sofreu por este mesmo problema alguns meses antes, em abril. O britânico sendo um bom amigo a incentivou a fazer a cirurgia depois dela ter sido forçada a cancelar várias shows e a aconselhou para ter cautela quanto ao procedimento que iria passar.

A cantora do mais novo hit “No”, revelou à iHeartRadio no último fim de semana como Sam a ajudou no momento mais difícil de sua carreira:

“Eu tinha ligações com a minha empresária e agente que questionávamos coisas do tipo, ‘Vamos cancelar essa turnê agora? Isto é mesmo possível, seria o correto a fazer?’. Mesmo sabendo o posicionamento do médico em relação ao caso e, então, ela mandou uma mensagem para Sam dizendo, ‘Eu devo fazer o procedimento e corrigir isso agora e apenas acabar com isso?’, e ele disse, ‘Eu prometo a você, você irá cantar melhor do que nunca e será muito mais feliz se fizer a cirurgia”.

FOTOS & VÍDEOS: Sam Smith comparece à 88ª edição do Oscar

Na noite passada, 28, aconteceu a cerimônia da 88ª edição do Oscar no Teatro Dolby, em Los Angeles, CA. Sam Smith estava concorrendo com a música “Writing’s On The Wall” na categoria “Melhor Canção Original” disputada por artistas como Lady Gaga e The Weeknd, onde merecidamente venceu recebendo a primeira estatueta de sua carreira. Confira fotos e vídeos logo abaixo:

RED CARPET

88th Annual Academy Awards - Arrivals 88th Annual Academy Awards - Arrivals 88th Annual Academy Awards - Arrivals 88th Annual Academy Awards: Red Carpet Arrivals

SHOW

512960064 512944658 512960074 512962266

BASTIDORES

512955884 512962200 512998352 512998516

SALA DE IMPRENSA 

513153362 (1) 513101336 513101268 513153012

REDES SOCIAIS

10632110_1576599665997455_348781847_n 12783182_1587087928281707_1117396790_n 1516805_155801224806107_2131968128_n 12728517_1006346332778650_161760745_n

VÍDEOS

Performance de “Writing’s On The Wall”:

Sam Smith cantando “Writing’s On The Wall” no Oscar.

Publicado por Sam Smith Brasil em Domingo, 28 de fevereiro de 2016

Sam no red carpet (tapeta vermelho) do evento:

Sam recebendo a estatueta de “Melhor Canção Original”. Confira a tradução abaixo:

“Eu li um texto do Ian McKellen a alguns meses atrás, onde ele dizia que nenhum homem abertamente gay já havia ganhado o Oscar. E se isto for verdade, ou não, eu quero dedicar este prêmio à comunidade LGBT de todo o mundo. Estou aqui, nesta noite como um homem gay assumido e que um dia possamos nos unir e sermos iguais. Muito obrigado!”

Sam e Jimmy Napes sendo entrevistados na sala de imprensa do Oscar. Assista ao vídeo legendado pela nossa equipe:

FOTOS & VÍDEOS: Sam Smith na 58ª edição do Grammy Awards

Sam Smith não estava indicado em nenhuma categoria do Grammy Awards deste ano, porém o cantor compareceu a premiação que aconteceu na noite passada, 15, para apresentar a categoria “Artista Revelação”, a qual Meghan Trainor foi consagrada – no ano anterior, nesta mesma categoria o britânico recebeu um gramofone. Confira tudo que rolou no evento logo abaixo:

15.06 – THE 58TH GRAMMY AWARDS – RED CARPET

12717740_461282097393844_2039848777979339794_n  12745774_461281967393857_3941101053308104923_n

VÍDEOS

Sam passando pelo red carpet e sendo entrevistado:

Sam anunciando a categoria “Artista Revelação”:

OUTROS