Sam Smith fala sobre hiato, lançamento do novo single e álbum à BBC Radio1

Muitas voltas marcam o ano de 2017, mas poucos se envolveram no mistério e exaltação como Sam Smith. Está certo, o comovente crooner* fez um retorno glorioso para nossas vidas e ondas sonoras com “Too Good at Goodbyes” e sim – antes de você perguntar – fará você chorar. Servindo todos os fatos para Grimmy, Sam nos deu uma ideia sobre o que a noite antes do grande e esperado lançamento do single pareceu:

“Noite passada foi horrível, verdadeiramente horrorosa. Minha família e amigos estavam comigo e eu apenas tinha que os convidar para sair às 11 horas porque me sentia fisicamente doente. E então eu acordei estranhamente às 4 da manhã e tive que comer um Snickers. Eu estava comendo nervosamente e bebendo café.  Mas me senti aliviado essa manhã e estou tão feliz por isso. É porque a canção é tão pessoal e, mais do que nunca com esse álbum e essa música, é como se eu estivesse publicando meu diário. É assim que eu me sinto.”

Então, o que exatamente Sam tem feito desde 2014? Sam optou por um ritmo de vida mais lento.

Sam: “Eu praticamente sentei em minhas calças, assistindo “Bake Off”. Esse tipo de coisa. Tenho estado aqui em Londres com minha família, indo a clubes e comendo McDonald’s. Esse último ano foi, por uma vez, como se não tivesse sido sobre mim.  Foi sobre minha família, meus amigos, estando lá por eles e eu fui a formatura da minha irmã e estive lá por todos os meus amigos. E agora está indo para ser sobre mim de novo, basicamente. Estou ansioso porque é como se eu fosse um desempregado e acho que minha família está cansada de mim sentado no sofá”.

Com 12 milhões de álbuns vendidos mundialmente, um álbum Nº 1, 5 singles Nº 1 no Reino Unido, um Oscar, um Globo de Ouro, 3 Brit Awards, 3 Billboard Music Awards, 4 Grammys Awards e 6 Mobos; é seguro dizer que tem havido muito campanha publicitária sobre o novo material do Sam.

Grimmy: Primeiramente, como você começa a imensa tarefa de completar um álbum tão estratosférico?

Sam: “A maneira como eu escrevo minha música é que eu venho com títulos e então eu escrevo o álbum embaixo do título. Eu tinha o título “In The Lonely Hour” bem antes de começar a escrever o álbum, realmente. Então eu tinha o título, provavelmente dois anos e um pouco mais e é o mesmo título. Eu dei a meu time uma monumental dor de cabeça, eu enviei uma mensagem a eles, provavelmente há um mês, dizendo: “Não tenho certeza se isso deve ser o título!”.

G: Em segundo lugar, onde uma pessoa armazena todos esses gongos?

Sam: “Não tenho todos. Eu dei um pouco para minha família e alguns estão guardados. Acho que quando eu tiver 70 anos e ninguém ouvir mais minha música, eu apenas irie a unidade de armazenamento e deitarei neles”.

Falando sobre o preço emocional que suas baladas assumiram, Sam revelou que ele já estava excluído da tristeza antes de levá-las ao palco e as cantar.

“A maioria das músicas eu meio que saí emocionalmente delas e eu posso cantar. Existe uma melodia neste álbum que, sempre que eu canto, não consigo me livrar desse lugar porque é realmente bastante intenso mas ainda é minha canção favorita para cantar. Eu não posso expressar o quão é difícil isso é no músculo. Você poderia ser a pessoa mais saudável do mundo e, sabendo, quando eu vi a Adele cancelar esses shows, é de partir o coração e é intenso. Você precisa ser um atleta quando você está viajando, então estou nervoso pela minha turnê, porque eu sei que haverá momentos em que eu acordarei e minha voz estará rouca. Eu não posso beber álcool. Não posso ter queijo. Não posso ter alimentos picantes. Basicamente, algo divertido, não posso ter. Vou beber chá de camomila e assistir Sex and The City”.

*crooner: é um epíteto dado a um cantor masculino de um certo estilo de canções populares, apelidado de pop tradicional. Um crooner é um cantor de baladas populares. O cantor é normalmente acompanhado por uma orquestra completa.

Fonte\Adaptado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *